Sonho que as crianças, do mundo todo, possam dormir quentinhas, com suas barriguinhas cheias, longe de toda e qualquer agressão física, sexual, moral ou intelectual e que todas possam usufruir das alegrias de uma infância linda e protegida. Sonho que tenham um futuro maravilhoso. Não só as crianças de hoje, mas também seus filhos, os filhos de seus filhos e também os filhos destes. Sonho com um planeta protegido, com medidas que eliminem a cobiça que destrói nosso porvir!

sábado, 31 de março de 2012

PRIVATIZAÇÃO DA ÁGUA



O episódio da VENDA da SANECAP respinga pela cidade, talvez isso explique a falta de água em tantos lares ou o preço que começa a chegar.
Muita gente não entendeu por que do interesse em vender o direito universal da água, pois
ninguém em sã consciência compra um negócio que dá prejuízo.
Se o negócio é bom e está dando prejuízo, utilizando o critério da iniciativa privada, o mais correto seria MUDAR O ADMINISTRADOR, substituir o incompetente e não apenas liquidar a empresa.
Contrariamente o ALCAIDE preferiu, com o consentimento da maioria dos vereadores, aprovar a venda.

Presume-se também que, esse valor da VENDA DA SANECAP já esteja sendo usado em benefício da sociedade, melhorando a qualidade de vida, não se trata de vender por vender e não explicar onde foi esse dinheiro.
A água se trata de um bem essencial à saúde, justamente essa que tem Postos com insuficiência de médicos, medicamentos e tem o Pronto Socorro emperrado em filas e inexplicáveis episódios de desabamento de teto.
O cidadão cuiabano já começa a sentir os efeitos da PRIVATIZAÇÃO em sua casa, não pela água na torneira, mas pelo valor da tarifa e da agilidade nos cortes.


Voltamos a idéia anterior, quando um gestor é INCOMPETENTE, o modelo de gestão é inaceitável deve-se bani-lo, inclusive daqueles que apoiaram ou que defendem esse modelo.

Repare bem, teve muita gente que estará disputando 2012 comprando o edital para participar do processo de compra do direito de EXPLORAÇÃO da água do consumidor.
Será que ele, eventualmente não teria outros interesses ainda sobre o PATRIMÔNIO PÚBLICO? Curioso é como alguns municípios conseguem manter a qualidade da água e ser gerido por empresa pública.


Será um milagre petista?
Acredito que se trata da escolha de pessoas idôneas (FICHA LIMPA) e que possuem a ORIGEM DE SEUS BENS conhecida e sobre a qual não pairem dúvidas.
Cuiabá não pode repetir nomes que se alternam em partidos políticos num vai-e-vem “inexplicável” ou em “velhas hienas” que aguardam pacientemente o momento de participar do botim, dissimuladas e sorrateiras.

Como se diz no jargão popular tem de se dar NOME AOS BOIS. Esses bois que votaram na VENDA DA SANECAP.
Você sabe como seu VEREADOR VOTOU?
Que estranhos desígnios o levaram a votar pela venda?
Será que ele vai colaborar no pagamento do preço da TARIFA que está chegando na sua casa?
Saiba que o preço deve ir gradativamente aumentando sob o pretexto que se destina a constituir capital para a expansão da rede, substituição de equipamentos e outras formas de justificar a tarifação.
Ele apoiou o ALCAIDE CONTRA VOCÊ CIDADÃO.
Será que isso é exercer o mandato em defesa do seu interesse?
2012 é a hora do troco.

Hilda Suzana Veiga Settineri

sexta-feira, 30 de março de 2012

“Cordão da Mentira”, 1º de abril, concentração às 11h30, em frente ao Cemitério da Consolação, SP





Endereço facebook

Saiu a Ficha de Inscriçao do 2º #WebFor

Confirme a tua presença no 2º Webfor - Fórum de Comunicação, em Fortaleza, dias 13, 14 e 15 de abril, acesse  A FICHA DE INSCRIÇÃOhttp://www.webfor2.com.br/index.php?/The-CMS/inscricoes.html e preencha todas as informações para receber o Crachá de acesso dia 13 de abril, Concha Acústica da UFC, bairro do Benfica, a partir das 18 horas. 
Daniel Bezerra - coordenador geral do evento e secretário executivo do Barão de Itararé Núcleo Ceará- 85- 99640672(TIM) - 85-81880965(VIVO) #WebFor

Celso de C. Barbosa: “Fui censurado e injuriado” - Ação do comando do PSDB numa redação #

Celso de Castro Barbosa à CartaCapital: “Fui censurado e injuriado”

A demissão de dois profissionais da revista de História da Biblioteca Nacional semanas após a publicação de uma resenha favorável ao livro “A Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Jr – fato que despertou a ira de parlamentares do PSDB, alvo de denúncias na obra – colocou o veículo no centro de uma polêmica sobre uma suposta intervenção do partido no caso. A demissão foi apontada na imprensa na coluna do jornalista Elio Gaspari, na Folha de S. Paulo, da quarta-feira 28.  
Publicado em 24 de janeiro, o texto do jornalista Celso de Castro Barbosa [na íntegra, abaixo] foi alvo críticas de tucanos, que liderados pelo presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), ameaçaram processar a publicação, editada pela Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional (Sabin) e que da Biblioteca Nacional recebe apenas material de pesquisa e iconografia.
Como resultado, a revista retirou a resenha do ar. “Fui censurado e injuriado”, diz o jornalista em entrevista a CartaCapital.
Mais:

*******
Ação do comando do PSDB numa redação
Por dispensar mais comentários, transcrevo na íntegra, abaixo, a nota publicada hoje pela coluna do jornalista Elio Gaspari na Folha de S.Paulo e em O Globo sob o título PATRULHA E CENSURA.
É sobre a demissão do jornalista Celso de Castro Barbosa e do editor, historiador Luciano Figueiredo,  da revista História, publicação da Biblioteca Nacional, depois que o repórter escreveu uma crítica ao livro “A Privataria Tucana”, de autoria do também jornalista Amaury Ribeiro Jr.
O livro é a mais completa radiografia das privatizações promovidas pelos governos tucanos (1995-2002). É, também, o 1º que traz as mais completas provas e documentos que mostram  correligionários tucanos, amigos, parentes próximos e afins do sempre candidato tucano (a prefeito, governador, presidente…) José Serra teriam recebido vultosas propinas e vantagens naquele processo.
José Serra tentou desqualificar o livro, classificou-o como ‘lixo”, mas nada conseguiu. Lançado há meses o livro continua um dos campeões nacionais de vendagem.
A demissão de Celso de Castro Barbosa, lamentável sob todos os aspectos, ocorreu depois que o presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE) denunciou e fez um escarcéu contra a crítica. Abaixo, a íntegra da nota publicada Elio nos jornais que publicam sua coluna hoje:
PATRULHA E CENSURA
Diga qual foi a publicação onde aconteceu isso:
Mais:

quinta-feira, 29 de março de 2012

DEM rifa Demóstenes para tentar salvar face ética - Processo de expulsão de Demóstenes começa terça - Sarney: denúncias sobre Demóstenes Torres são graves #

http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/
Ao forçar a saída do ex-governador José Roberto Arruda do partido, em 2009, com apoio de Demóstenes, o DEM abriu as portas para o surgimeto do PSD, que só lhe enfraqueceu; agora é Demóstenes que está na berlinda para que o partido possa manter a bandeira da ética; será que vai sobrar alguém?
247 – O ex-governador José Roberto Arruda deixou o Democratas em dezembro de 2009 depois de ser alvo, entre outros políticos do Distrito Federal, da Operação Caixa de Pandora, que investigou uma rede de pagamentos a parlamentares no DF, celebrizada como “mensalão do DEM”. À época, o senador e então líder do DEM no Senado Demóstenes Torres (GO) esteve entre os democratas que exigiram publicamente a expulsão do ex-governador do partido, e prometeu inclusive processar Arruda por tentar envolvê-lo nas denúncias que valeram a cassação do ex-DEM em 2010.
Mais:
*********
Processo de expulsão de Demóstenes começa terça

EXECUTIVA NACIONAL DO DEM MARCA REUNIÃO PARA DEFINIR ABERTURA DE INVESTIGAÇÃO INTERNA QUE PODE LEVAR À EXPULSÃO DO SENADOR DO PARTIDO; ELE É ACUSADO DE TER RELAÇÕES COM O BICHEIRO CARLINHOS CACHOEIRA, PRESO EM OPERAÇÃO DA PF

 

Agência Brasil - O destino político do senador Demóstenes Torres (GO), suspeito de envolvimento com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, começará a ser definido na próxima semana. Na terça-feira (3), a Executiva Nacional do Democratas (DEM), partido de Demóstenes, marcou uma reunião para decidir se será aberto um processo de investigação interna que pode levar à expulsão dele da legenda.
Mais:

A manifestação dos caras-pintadas diante do Clube Militar

29
MAR
18h40
3 Comentários »
Foi um acaso. Eu passava hoje pela Rio Branco, prestes a pegar o Aterro, quando ouvi gritos e vi uma aglomeração do lado esquerdo da avenida. Pedi ao motorista para diminuir a marcha e percebi que eram os jovens estudantes caras-pintadas manifestando-se diante do Clube Militar, onde acontecia a anunciada reunião dos militares de pijama celebrando o "31 de Março" e contra a Comissão da Verdade.

Só vi jovens, meninos e meninas, empunhando cartazes em preto e branco, alguns deles com fotos de meu irmão e de minha cunhada. Pedi ao motorista para parar o carro e desci. Eu vinha de um almoço no Clube de Engenharia. Para isso, fui pela manhã ao cabeleireiro, arrumei-me, coloquei joias, um vestido elegante, uma bolsa combinando com o rosa da estampa, sapatos prateados. Estava o que se espera de uma colunista social.

A situação era tensa. As crianças, emboladas, berrando palavras de ordem e bordões contra a ditadura e a favor da Comissão da Verdade. Frases como "Cadeia Já, Cadeia Já, a quem torturou na ditadura militar". Faces jovens, muito jovens, imberbes até. Nomes de desaparecidos pintados em alguns rostos e até nas roupas. E eles num entusiasmo, num ímpeto, num sentimento. Como aquilo me tocou! Manifestantes mais velhos com eles, eram poucos. Umas senhoras de bermudas, corajosas militantes. Alguns senhores de manga de camisa. Mas a grande maioria, a entusiasmada maioria, a massa humana, era a garotada. Que belo!

Eram nossos jovens patriotas clamando pela abertura dos arquivos militares, exigindo com seu jeito sem modos, sem luvas de pelica nem punhos de renda e sem vosmecê, que o Brasil tenha a dignidade de dar às famílias dos torturados e mortos ao menos a satisfação de saberem como, de que forma, onde e por quem foram trucidados, torturados e mortos seus entes amados. Pelo menos isso. Não é pedir muito, será que é?

Quando vemos, hoje, crianças brasileiras que somem, se evaporam e jamais são recuperadas, crianças que inspiram folhetins e novelas, como a que esta semana entrou no ar, vendidas num lixão e escravizadas, nós sabemos que elas jamais serão encontrada, pois nunca serão procuradas. Pois o jogo é esse. É esta a nossa tradição. Semente plantada lá atrás, desde 1964 - e ainda há quem queira comemorar a data! A semente da impunidade, do esquecimento, do pouco caso com a vida humana neste país.

E nossos quixotinhos destemidos e desaforados ali diante do prédio do Clube Militar. "Assassino!", "assassino!", "torturador!", gritava o garotinho louro de cabelos longos anelados e óculos de aro redondo, a quem eu dava uns 16 anos, seguido pela menina de cabelos castanhos e diadema, e mais outra e mais outro, num coro que logo virava um estrondo de vozes, um trovão. Era mais um militar de cabeça branca e terno ajustado na silhueta, magra sempre, que tentava abrir passagem naquele corredor humano enfurecido e era recebido com gritos e desacatos. Uma recepção com raiva, rancor, fúria, ressentimento. Até cuspe eu vi, no ombro de um terno príncipe de Gales.

Magros, ainda bem, esses velhos militares, pois cabiam todos no abraço daqueles PMs reforçados e vestidos com colete à prova de balas, que lhes cingiam as pernas com os braços, forçando a passagem. E assim eles conseguiram entrar, hoje, um por um, para a reunião em seu Clube Militar: carregados no colo dos PMs.

Os cartazes com os rostos eram sacudidos. À menção de cada nome de desaparecido ao alto-falante, a multidão berrava: "Presente!". Havia tinta vermelha cobrindo todo o piso de pedras portuguesas diante da portaria do edifício. O sangue dos mortos ali lembrados. Tremulavam bandeiras de partidos políticos e de não sei o quê mais, porém isso não me importava. Eu estava muito emocionada. Fiquei à parte da multidão. Recuada, num degrau de uma loja de câmbio ao lado da portaria do prédio. A polícia e os seguranças do Clube evacuaram o local, retiraram todo mundo. Fotógrafos e cinegrafistas foram mandados para a entrada do "corredor", manifestantes para o lado de lá do cordão de isolamento. E ninguém me via. Parecia que eu era invisível. Fiquei ali, absolutamente sozinha, testemunhando tudo aquilo, bem uns 20 minutos, com eles passando pra lá e pra cá, carregando os generais, empurrando a aglomeração, sem perceberem a minha presença. Mistério.

Até que fui denunciada pelas lágrimas. Uma senhora me reconheceu, jogou um beijo. E mais outra. Pessoas sorriram para mim com simpatia. Percebi que eu representava ali as famílias daqueles mortos e estava sendo reverenciada por causa deles. Emocionei-me ainda mais. Então e enfim os PMs me viram. Eu, que estava todo o tempo praticamente colada neles! Um me perguntou se não era melhor eu sair dali, pois era perigoso. Insisti em ficar l mesmo, com perigo e tudo. E ele, gentil, quando viu que não conseguiria me demover: "A senhora quer um copo d'água?". Na mesma hora o copo d'água veio. O segurança do Clube ofereceu: "A senhora não prefere ficar na portaria, lá dentro? ". "Ah, não, meu senhor. Lá dentro não. Prefiro a calçada mesmo". E nela fiquei, sobre o degrau recuado, ora assistente, ora manifestante fazendo coro, cumprindo meu papel de testemunha, de participante e de Angel. Vendo nossos quixotinhos empunharem, como lanças, apenas a sua voz, contra as pás lancinantes dos moinhos do passado, que cortaram as carnes de uma geração de idealistas.

A manifestação havia sido anunciada. Porém, eu estava nela por acaso. Um feliz e divino acaso. E aonde estavam naquela hora os remanescentes daquela luta de antigamente? Aqueles que sobreviveram àquelas fotos ampliadas em PB? Em seus gabinetes? Em seus aviões? Em suas comissões e congressos e redações? Será esta a lição que nos impõe a História: delegar sempre a realização dos "sonhos impossíveis" ao destemor idealista dos mais jovens?

Demóstenes, Veja, Mensalão e o STF - Quem armou para detonar José Dirceu?


 
 
Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador:O texto que o Escrevinhador reproduz abaixo merece ser lido com muita atenção. A informação é de que Carlinhos Cachoeira (aquele que a Folha, com deferência, chama de “empresário do jogo”) teria tramado o Mensalão em parceria com Demóstenes Torres (DEM-GO) – o grande tribuno da moral e dos bons costumes. E mais: a Veja pode ter participado da trama.
Hum…
Revista Veja constrangeu reportagens investigativas sobre Demóstenes Torres e Carlinhos Cachoeira, forjando a surrada técnica de contra-informação usada por José Serra, de se passar por vítima de dossiês quando é flagrado em algum escândalo de corrupção.
http://veja.abril.com.br/101007/p_060.shtml
Uma matéria de contra-informação publicada na revista Veja em 2007 para blindar o senador Demóstenes Torres (DEM/GO) das acusações que agora vem ao conhecimento público, reforça indícios da associação da revista Veja com Carlinhos Cachoeira.

Em 2007, o senador Demóstenes Torres (DEMos/GO) conspirava no conselho de ética no Senado e na imprensa para cassar o então presidente do senado Renan Calheiros (PMDB/AL), acusado de ter contas supostamente pagas por um lobista de uma empreiteira.

Por trás da trama do denuncismo, a preocupação com a ética passava longe. Havia apenas a disputa política pelo poder no Senado.
Leia matéria completa :
 

Morre Millôr Fernandes...



Caso Policarpo-Cachoeira: será pior que Murdoch? @demóstenes

http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/
Silêncio de Veja, que ainda não se manifestou sobre as duzentas ligações grampeadas pela Polícia Federal entre o editor-chefe Policarpo Jr. e o contraventor Carlinhos Cachoeira, que está preso, desperta dúvidas; o Brasil assiste a um escândalo de tipo semelhante ao que levou ao fechamento do The News of the World, de Rupert Murdoch? Será possível encobri-lo?
247 – Relações incestuosas e, portanto, desvirtuadas entre jornalistas e fontes já causaram prisões e fecharam uma publicação secular. Na Inglaterra, ano passado. Diretora executiva da News Corp., o conglomerado de mídia do magnata Ruppert Murdoch, a jornalista Rebekah Brooks chegou a ser presa pela polícia inglesa, interrogada por 12 horas e libertada sob fiança somente após contar o que sabia a respeito do trabalho de apuração que incluía escutas ilegais sobre personalidades do país e aquisição de informações com policiais mediante pagamentos em dinheiro.
O jornal The News of the World, que veiculava o material obtido na maior parte das vezes por aqueles métodos, teve de ser fechado por Murdoch, depois de mais de cem anos de publicação, por força dos protestos dos leitores e do público em geral. Eles se sentiram ultrajados com o, digamos, jeitinho que a redação agia para obter seus furos. Os patrões Ruppert e seu filho James precisaram dar explicações formais ao Parlamento Britânico sobre as práticas obscuras. Ali, foram humilhados até mesmo por um banho de espuma a contragosto.

quarta-feira, 28 de março de 2012

LULA Guerreiro, do povo Brasileiro!





Mensagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após receber os resultados dos exames realizados no hospital Sírio Libanês e que mostraram remissão completa do câncer. O vídeo foi gravado na sede do Instituto Lula nesta quarta-feira (28).

O silêncio da Veja – Demóstenes, PGR, sócios e afins - "... armaram o mensalão” Self service de notícias ! #


“Cachoeira e Demóstenes armaram o mensalão”


Quem diz é o ex-prefeito de Anápolis (GO) Ernani de Paula, que conviveu com os dois; ele foi amigo do contraventor e sua mulher Sandra elegeu-se suplente do senador do DEM em 2002; “Cachoeira filmou, Policarpo publicou e Demóstenes repercutiu”, disse ele ao 247

(...) Segundo o ex-prefeito, houve um veto à indicação de Demóstenes. “Acho que partiu do Zé Dirceu”, diz o ex-prefeito. A partir daí, segundo ele, o senador goiano e seu amigo Carlos Cachoeira começaram a articular o troco.

***********
Os atentados a Demostenes em 2006: armação?

Por Roger S
No começo desta década havia um grande atrito entre Demóstentes Torres(PFL) e Marconi Perillo(PSDB), uma história marcada por tiroteios de verdade. Uma história mal explicada até hoje. Onde estaria Cachoeira naquele momento? Será que Cachoeira teria a ver com estas coisas? Naquele momento Cachoeira estaria com quem, com Marconi ou com Demóstenes? Os atentados contra a casa de Demóstenes foram de verdade ou para inglês ver, ou seja, para ganhar a atenção e votos da população? Depois do que tenho visto nos últimos dias não duvido mais de nada:
Da Carta Capital
***********

Gurgel pede investigação de Demóstenes ao STF

Procurador-geral da República confirma que enviou ao Supremo o pedido de abertura de inquérito sobre as relações do senador Demóstenes Torres, entre outros parlamentares, com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso em Operação da PF

***********

Caso Policarpo-Cachoeira assusta e silencia Veja
Revista noticia em sua edição online, mas não imprime na de papel, informação sobre o escândalo de infiltração política do contraventor Carlinhos Cachoeira; explicação pode estar nas 200 ligações entre o jornalista Policarpo Jr. (à esq.), diretor da sucursal de Brasília, e o próprio Cachoeira; o que teme o diretor de redação Eurípedes Alcântara (à dir.) para fugir desse assunto?; lições de moral sob suspeição

***********

Caso Cachoeira provoca bate-boca de deputados
Neste domingo, Ronaldo Caiado (DEM), que é contra a abertura de uma CPI sobre o caso, foi provocado por Armando Virgílio (PSD) no Twitter; a conversa se estendeu até hoje
 ***********
CPI de Cachoeira já aguarda Marco Maia


O deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) entregou ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), requerimento para instalação de uma CPI para investigar suposta relação de parlamentares com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.
Essa é o segundo requerimento que Protógenes entrega para Marco Maia. O primeiro, no fim do último ano parlamentar, pede a instalação de uma CPI para investigar a privataria tucana – a apuração das denúncias publicadas pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr., em livro homônimo.
 ***********
Demóstenes chama Bastos de 'defensor de bandidos'

Em 2003, o senador do DEM (esq.) afirmou em entrevista que esse é o viés do ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos (dir.); será que a opinião continua valendo agora que o criminalista também defende seu amigo e "professor" Carlinhos Cachoeira?

http://brasil247.com/pt/247/poder/50033/Demóstenes-chama-Bastos-de-'defensor-de-bandidos'.htm
***********

Autor:  

A revelação das ligações do senador Demóstenes Torres com o bicheiro Carlinhos Cachoeira lança uma sombra de suspeita sobre o procurador geral Roberto Gurgel.

Demóstenes foi elemento central na recondução de Gurgel ao cargo de Procurador Geral, desempenhando papel bastante conhecido em assembléias de acionistas.

http://www.advivo.com.br/luisnassif/politica 

 ***********

Carlinhos Cachoeira e o clube dos 15

O bicheiro goiano Carlos Augusto de Almeida Ramos, o “Carlinhos Cachoeira”, adquiriu da provedora de telefonia norte-americana Nextel 15 aparelhos, os quais cedeu a pessoas de sua confiança. Segundo as investigações da Operação Monte Carlo, levada a cabo pela Policia Federal, um policial corrupto dessa corporação orientou o bicheiro a habilitar os aparelhos nos Estados Unidos de forma a que ficassem imunes a grampos legais e ilegais.

http://altamiroborges.blogspot.com.br/2012/03/carlinhos-cachoeira-e-o-clube-dos-15.html 

 ***********

Venda de emendas: seis meses sem que nada seja investigado

Guardo um silêncio obsequioso a respeito do caso, enquanto aguardo o aprofundamento das investigações e as primeiras conclusões delas sobre as denúncias que envolvem o líder do DEM, senador Demóstenes Torres (GO). Mas, se guardo um silêncio obsequioso, a mídia adota um silêncio cúmplice com os fatos e as investigações relativas ao líder demo, sem registrá-los em maior extensão e sem se aprofundar nas apurações que ela própria costuma fazer.


http://www.zedirceu.com.br/index.php?option=com_content&task=blogcategory&id=1&Itemid=2 


Veja, Demóstenes e o caso Francisco Escórcio

Autor: 
 
No momento em que o senador Demóstenes Torres pede aos seus pares - e a Renan Calheiros - para não ser julgado politicamente, um dos capítulos de sua parceria com a revista Veja: o caso Francisco Escórcio. Revela bem os métodos utilizados, posteriormente, no caso do grampo sem áudio.

terça-feira, 27 de março de 2012

LUGAR DE MULHER É NA POLÍTICA!

Saudade do Lula! Eu também! #forçalula #teimal


Lula detona a Veja




A que ponto chegamos, hein, José Serra?


Foi no sufoco. Entenda:
Por Altamiro Borges

Com apenas 52% dos votos, José Serra venceu as prévias do PSDB neste domingo (25) e será o candidato da legenda nas eleições para a prefeitura da capital paulista. O resultado confirma a divisão que reina no ninho tucano. José Aníbal obteve 31,2% dos votos e Ricardo Trípoli ficou com 16,7%. Ao final das prévias, os três falaram em unidade, mas o clima interno é de desagregação.

Apesar da sua visibilidade como ex-prefeito, ex-governador e eterno candidato do partido e dos apoios declarados do governador Geraldo Alckmin, do ex-presidente FHC e da cúpula partidária, Serra levou um susto na eleição. Quase não conseguiu a maioria absoluta dos votos, numa prévia bastante esvaziada – apenas 6.229 dos 21 mil filiados do PSDB compareceram às urnas.
A “palhaçada” da disputa internaO secretário estadual José Aníbal e o deputado Ricardo Trípoli ficaram pendurados na brocha na briga interna. Chegaram a apelar por um debate com o grão-tucano, mas ele os rejeitou de forma humilhante. Também foram pressionados para abandonar a disputa interna, seguindo o caminho dos “flanelinhas” Andrea Matarazzo e Bruno Covas, que desistiram quando Serra assumiu a candidatura.

Entre os filiados tucanos, muita gente protestou contra a “palhaçada” armada pelo eterno candidato, que se recusava a entrar na disputa pela prefeitura, qualificada por ele de “enterro”, e que depois rompeu as regras das prévias para impor seu nome. Vídeos circularam pela internet com desabafos contra a postura desrespeitosa e arrogante de Serra. As prévias custaram R$ 250 mil aos cofres do partido.
O balcão de negócios das alianças
Mais:

Hipocrisia em alta dose #

Ainda que a contragosto -  o que até as pedras sabem - o governador Geraldo Alckmin (PSDB) está envolvido até o pescoço na campanha de José Serra a prefeito este ano. Articulou no Palácio dos Bandeirantes, participou das prévias, retirou candidaturas de prefeituráveis (as que lhe foram possíveis, de seus secretários estaduais Andrea Matarazzo e Bruno Covas) e o nosso ex-presidente FHC vem falar da participação do governo federal no apoio ao candidato do PT a prefeito de São Paulo, o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad.

O ex-presidente FHC agora vem com a história de que o governo federal pode se quebrar se entrar de cabeça na campanha de Fernando Haddad. A lei, ex-presidente FHC, permite não a participação institucional do governo em campanhas eleitorais, mas de seus integrantes que queiram e decidam participar em atividades de disputa eleitoral fora do expediente.


Ou será que o governador Alckmin e o prefeito paulistano Gilberto Kassab (ex-DEM-PSDB, agora PSD) na ótica de FHC violaram a lei? Eles dedicaram 24h do dia nas últimas semanas à campanha para José Serra vencer a prévia do PSDB - quase perdeu, venceu no limite, 52% dos votos - e à pré-campanha eleitoral tucana na capital.

Serra renunciou em 2006; agora "não vai deixar a cidade na mão", diz FHC
Primor mesmo de declaração de FHC ao participar da prévia foi sua afirmação de que José, caso se eleja prefeito - o que acho difícil - sabe que não poderá deixar o cargo, como fez em 2006: "Não é o caso. Ele não vai deixar a cidade na mão. Todo mundo sabe o que houve em 2006, as circunstâncias que o levaram a deixar o cargo. A população entendeu e aprovou, tanto que votou nele para governador".
 
Aí temos, primeiro, o reconhecimento tucano de que José deixou "a cidade na mão". Segundo, o ex-presidente se contradizendo logo depois ao propor a adoção de prévias para escolha do candidato tucano a presidente em 2014.

Como o PSDB não tem outros postulantes ao Planalto naquele ano que não José Serra e o senador Aécio Neves (MG), o ex-presidente FHC torna-se assim o 1º a reconhecer, quase explicitamente, de público, que José Serra, caso se eleja, só vai esquentar a cadeira de prefeito. Usá-la como trampolim e renunciar de novo depois de um ano e quatro meses de mandato.

Leiam, também, o post-destaque do dia, José Serra racha o PSDB e obriga tucanos a aceitá-lo como candidato a prefeito.

Movimento protesta em frente a casas de acusados de tortura # @ditadura

 
Manifestantes do movimento Levante Popular da Juventude protestam em frente à casa de Carlos Alberto Ponzi, ex-chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI), em Porto Alegre (RS)
Foto: Divulgação
DANIEL FAVERO
O movimento Levante Popular da Juventude realizou manifestações em frente a residências e uma empresa de propriedade de pessoas suspeitas de tortura durante a ditadura militar, na manhã desta segunda-feira nas cidades de Porto Alegre, Belo Horizonte e São Paulo
.
"Foram organizadas ações no País inteiro de denúncia de torturadores pela Comissão da Verdade", disse a integrante do movimento em São Paulo Lira Alli. A comissão foi criada pelo governo federal no final do ano passado para investigar os crimes cometidos durante o período militar, mas ainda não foi instaurada.

Na zona sul de São Paulo, os manifestantes se reuniram em frente a empresa de segurança privada de propriedade de David dos Santos Araújo, conhecido como Capitão Lisboa, para denunciar sua suposta participação em crimes de tortura, assassinato e a abuso sexual durante o regime militar, conforme diz o movimento citando ação civil pública do Ministério Público Federal.
Mais:

ONÇA PINTADA

UM BLOG ONDE EU POSSA ENSINAR O POUCO QUE SEI E APREENDER MUITO, COM TODOS OS QUE FIZEREM UMA VISITA, NÃO DEIXEM DE COMENTAR, OK